O cantor maldito!...


Diário

Fausto

Blogosfera

Biblos

Espaço do leitor

Links








Blog


AO SOM DO MAR E DO VENTO



A                                              D

COM TODO ESTE SENTIMENTO

B7                                      Em7

AO SOM DO MAR E DO VENTO

A                                              D     G Em D A

AO SOM DO VENTO E DO MAR

D                                           A

CARREGADOS DE UMA BANDA

D    A

E TÃO POUCO DA OUTRA

D                                           A

TÃO BOIANTES DAQUELA

D   A

DESENGONÇADOS  NA ROTA

D                                           A

PENETRANDO A GRANDEZA

Bm7   A

DOS OCEANOS DAS ILHAS

D                                        A

SERVIA A QUILHA DE COSTADO

D    G Em D C

E O COSTADO DE QUILHA

C

VENTOU-NOS O VENTO VENTOU

Dm

POR MIL INVENÇÕES E MANEIRAS

G#7                                                                                 C#m7        A A7

ONDAS E ÁGUAS PELO AR EM BORRISCADAS E CHUVEIROS

D                                              C#7

E NO CORPO DA NAU DE RASTOS

F#m7

NA TOLDA NOS MASTARÉUS

F#m7

E ATÉ POR FORA DO CASCO

A                          Bb07                              D                  G Em D A D

JÁ TUDO SÃO FOLIAS PANDEIROS E ZOMBARIAS



VÃO EM NOSSA COMPANHIA

EM GRANDES FESTAS MULTICORES

MUITAS AVES MARISCANDO

E MUITOS PEIXES VOADORES

UMA TURBA DE BALEIAS EM BAILES BORRIFOS SÃO ELAS

ROMPENDO NESTE MAR DE ROSAS

MANCHAS DE OVAS DE AGUARELAS

VÊM ATÉ NÓS DAQUELES CÉUS INFINITAS ANDORINHAS

QUE NO SABOR NINGUEM SABIA SE ERAM CARNES OU SARDINHAS

SEM STº ANTÓNIO QUE OS DOUTRINE HÁ PEIXES FEROS TÃO DANADOS

FRUSCOS E MAL ENCARADOS

MAS TUDO SÃO FOLIAS PANDEIROS E ZOMBARIAS



Bm7                                         F#7/Bb  Bm7

CONTEMPLANDO DOS CHAPITÉUS

A7                                  D7+

O MOVIMENTO DOS CÉUS

D7                                           Em7

E CARTEANDO O SOL TÃO BEM

Bb7                           Ebm7

MEU BEM EU CIRCUNDO

F07                                Bb7                   Ebm7/F#

NAS DERRADEIRAS PARTES DO MUNDO

Eb7/G                                           G#m9

SÓ PRA TE ABRAÇAR E BEIJAR

B7                           E

COM TODO ESTE SENTIMENTO

C#7                                    F#m7

DO SOM DO MAR E DO VENTO

B7                                                 E   A D G Em D A

AO SOM DO VENTO E DO MAR



AGUENTA O BARCO ALTOS MARES

CONVOCADOS PELOS VENTOS

COM QUE ARFAVA E METIA

MUITO PELO BARLAVENTO

SENÃO QUANDO UM MARINHEIRO

AOS SALTOS PELO DESCONJUNTO

GRITOU ANTES QUE SE DAVA JÁ

ANTES DE MAIS COMO DEFUNTO

E APONTA A ONDA

QUE DE MUITO LONGE CHEGA LEVANTADA

SOBRE ELA VINHAM FOLIANDO

VULTOS NEGROS EM MANADA

MAS PASSA O MAU E O DESDITOSO

TUDO SE ESQUECE ACABOU-SE

O QUE FOI PASSADO PASSOU-SE

E TUDO SÃO FOLIAS PANDEIROS E ZOMBARIAS


Fonte: http://faustobordalodias.blogspot.com/2011/08/ao-som-do-mar-e-do-vento-letra-e.html

Lusitana - 03Ago2011 15:02:00
a entrada do tema é sempre (travessão no 2º ponto)   D e A7  mas o truque está no baxo da guitarra que faz sempre  (o baixo) D C#  B  A + Bb B C# D x3 à 4x  faz D C# B A +Bb B Bb   e acorde de D a voz entra ainda com o baixo em Bb  (A7/Bb) e enquanto é cantada o esquema do  baixo mantem-se ao mesmo tempo que cantas
Lusitana
Letra e Música: Fausto Bordalo Dias
A7 /Bb              D            
doce e salgada
                   A7
ó minha amada
                   D    A7
ó minha ideia
                               D
faz-me grego e romano
                       A7
tu gingas à africano
                 D
como a sereia
               A7
ó bailarina
             Bm7
ó columbina
                          A7
és a nossa predilecta
                               D
de prosadores e poetas
                 A7                       D
dos visionários dos visionarios
                               A7
quem te vê ama de vez
                                  D
nómadas e sedentários
                A7
ó pátria lusa
                Bm7
ó minha musa
A/C#                      D    (esquema em re e la7  com os baixos)
o teu génio é português
doce e salgada
ó minha amada
das epopeias
tu és toda em latim
e a mais mulata sim
das europeias
ó bailarina
ó columbina
do profano matrimónio
?nas andanças do demónio?
bela e roliça
dança a chula requebrada
a minha canção é mestiça
ó pátria lusa
ó minha musa
o teu génio é português
Am                                G7+
teu génio meigo e profundo
F# 9 /C#                          Bm
é deste tamanho do mundo
Eb07                     C7+/G
 sentimental como eu
                           B7
 dois corações pagãos
                                Em7
são de apolo e de orfeu
       C#7                  F#m7
guarda-nos bem fraternais
                                A7
no teu chão no teu colo
A7/B                    D
de sonhos universais
                             E
és o nosso almirante
                            Em7
terna mãe de crioulos
                                        A7
cuida da nossa alma errante
                A/B                   D
nós só queremos teu consolo

Fonte: http://faustobordalodias.blogspot.com/2011/08/lusitana.html













Afinação VIOLA do Tema ?Por este rio acima?
MI (BORDÃO)
SI (SOBE)
SI (SOBE)
MI (DESCE)
SI
MI
Afinação VIOLA para o Tema ?Mar?
MI (BORDÃO)
SI
MI
M
-------------- Informação gentilmente cedida pelo próprio Autor------------------------------
---------------------------------- ?Fausto Bordalo Dias?-------------------------------------------------

Fonte: http://faustobordalodias.blogspot.com/2011/01/afinacoes-para-viola-por-este-rio-acima.html









SOLDADOS DE BACO - 20Set2010 14:46:00
Soldados de Baco

INTRO [|Em C|] 4X
Em             B7  |       C#05      |   Am/F#           B7      |        Em C  |  Em C |
Estes vêm feros e amotinados Aqueles andam bravos muito acossados
 Em                B7        |    C#05   |       Am7/F#    B7  |  Em C  |Em   C  |
Esses são mais grossos em algazarras Os outros mais tamanhos estendem as garras
Em                  |   Em/G       |  C                      |   C/G    |
Os bandarras , os bailarinos Os baptizados, os babuínos
   |         Am7/F#                 |               B7            |     B7     |
Os levantados os paladinos Todos provocam malditos aos gritos
Em                             D                               C
E alguns rapinam de pulo escaramuçam larápios
D                                            Em
(bate bate sobre a terra sobre os céus)
                           D                         C
Todos à uma muzungos cafres e arábios
Am                     B7                 Em
(pega pega pelas almas pelos céus)
Em                        D                                         C
Uns sem lei nem costumes mostram as partes traseiras
D                                                  Em
(bate bate sobre a terra sobre os céus)
                           D                                           C
E tanta gente responde mostra outras partes grosseiras
Am                       B7         Em
(pega pega pelas almas pelos céus)
Em                       D                                       C
Andam em roubos e desnudam os que vão derradeiros
D                                             Em
(bate bate sobre a terra sobre os céus)
                               D                                     C
Dão de focinhos no chão dados por golpes rasteiros
   Am7              B7                 Em
(pega pega pelas almas pelos céus)

Em                                             A7                
Vivem de muitas vidas na vida, hão-de viver como soldados de Baco na terra
Am7                      D                         Em
Nunca a paz é a paz toda enfeitada de guerra
Em                                    A7
Enfeitada como um qualquer deus
Am7            D          Em
Toda enfeitada de breu
(INSTRUMENTAL) 2 X [ Em C Em C D C ]

Estes saltam brutos como bugias Aqueles fazem cruas carniçarias

Esses muito indígenas e carniceiros Os outros sanguinários muito estrangeiros

Os quadrilheiros os esgrimidos os acossados os carcomidos

Os vergastados os corrompidos --- todos em sangue lavados aos brados

E alguns dão Santiago dão nos bons e nos maus

(matas mato Valha-nos Nosso Senhor)

E todos enchem o ar o céu de pedras e paus

(mata esfola misericórdia Senhor)

Uns varados dos peitos do espinhaço à outra parte

(matas mato Valha-nos Nosso Senhor)

Tantas cabeças ao talho à força dos bacamartes

(mata esfola misericórdia Senhor)

Vão fustigados os braços as pernas e outros lugares

(matas mato Valha-nos Nosso Senhor)

Dão nos contrários uivando golpes mortais aos milhares

(mata esfola misericórdia Senhor)



Morrem de muitas mortes e à morte

Hão-de morrer como soldados de Baco na terra

Se nunca a paz é a paz toda enfeitada de guerra

Enfeitada------------como um qualquer deus

Toda enfeitada ....



E alguns afrouxam calados calados pelas gargantas

(matas mato Valha-nos Nosso Senhor)

Todos vomitam de si chuvas de setas e lanças

(mata esfola misericórdia Senhor)

Uns vão de crânios abertos com as medulas de fora

(matas mato Valha-nos Nosso Senhor)

tantas ossadas e carnes que a lama engole e devora

(mata esfola misericórdia Senhor)



Morrem de muitas mortes e à morte

Hão-de morrer como soldados de Baco na terra

Se nunca a paz é a paz toda enfeitada de guerra

Enfeitada------------como um qualquer deus

Toda enfeitada ....

Fonte: http://faustobordalodias.blogspot.com/2010/09/soldados-de-baco.html